A Esporotricose em cães e gatos

A esporotricose é uma zoonose, ou seja uma doença que pode ser transmitida de animais para pessoas. O agente desta doença é um fungo, que geralmente usa uma ferida na pele como meio perfeito de entrada no organismo.

Esta doença terrível pode afetar diversos animais, incluindo o cachorro e o gato! Sendo que ela pode ser transmitida ao ser humano, é imprescindível ter alguns cuidados.

Esporotricose felina

Hovet São Pedro Dermatologia Esporotricose1

A esporotricose, também conhecida por doença da roseira, é causada pelo fungo Sporotrix Schenkii. Este fungo está por todo lado na natureza, por isso não é difícil que o seu pet tenha contacto com ele. Principalmente os gatos que têm acesso ao exterior, podem contactar com este fungo na terra e nos jardins que frequentam.

Este fungo gosta especialmente de lugares quentinhos e úmidos para se reproduzir e é por isso que é mais comum em climas tropicais. A melhor forma de prevenir o aparecimento deste fungo é manter sempre os locais devidamente limpos, especialmente a caixa de areia do seu gato!

É importante referir que, segundo alguns estudos, a transmissão a partir dos gatos para os humanos é mais comum do que a partir dos cachorros. Por vezes, o animal pode não ter a doença mas ser portador do fungo. Por exemplo, se o seu gatinho esteve em contacto direto com este fungo na rua e numa brincadeira lhe fizer um arranhão, pode ser o suficiente para o contaminar. Desinfete rapidamente a ferida!

Esporotricose canina

Hovet São Pedro Dermatologia Esporotricose2

No cachorro, a esporotricose é considerada rara. Sendo mais comum existirem dermatofitoses causadas por outros agentes, como o Microsporum canis, Microsporum gypseum e o Trichophyton mentagrophytes. De qualquer forma, existem alguns casos relatados e por isso, todos os cuidados são poucos. Tal como nos gatos, a higiene é o mais importante de tudo, tanto para manter o seu cachorro a salgo destes fungos oportunistas, como você mesmo.

Causas da esporotricose

Como já referimos, o que causa a esporotricose é o fungo Sporotrix Schenckii que normalmente, aproveita pequenas lesões ou feridas para entrar no organismo do animal.

Podemos considerar que existem três tipos de esporotricose:

  • Cutânea: nódulos individuais na pele do animal.
  • Cutâneo-linfática: quando a infeção progride e para além de afetar a pele, atinge o sistema linfático do animal.
  • Disseminada: quando a doença atinge um estado tão grave que todo o organismo fica afetado.
Sintomas esporotricose

Ao contrário de outras doenças de pele, as lesões causadas pela esporotricose não costumam causar coceira. Para além dos sintomas típicos, referidos de seguida, os animais podem perder apetite e consequentemente peso.

Sintomas esporotricose em cães e gatos
  • Nódulos firmes
  • Áreas de alopécia (regiões do corpo sem pelo)
  • Úlceras no tronco, cabeça e orelhas

Para além disso, quando a doença é disseminada, uma série de outros sinais clínicos podem ser apresentados, conforme os sistemas afetados. Desde problemas respiratórios, locomotores e até mesmo gastrointestinais.

Esporotricose - diagnóstico

São necessárias provas de diagnóstico feitas pelo médico veterinário para confirmar que o animal padece de esporotricose. Esta doença pode ser facilmente confundida com outras que apresentem sinais clínicos semelhantes, como a leishmaniose, herpes, etc.

Estes são os meios de diagnóstico mais comuns:

  • Citologia por esfregaço direto
  • Impressão
  • Raspado cutâneo

Por vezes, pode ser necessário fazer uma cultura fúngica e biópsia. Para além disso, não estranhe se o seu médico veterinário precisar realizar várias provas no seu pet. Os exames complementares são extremamente importantes para descartar possíveis diagnósticos diferenciais e, recorde que, sem um correto diagnóstico, as probabilidades do tratamento ser eficaz são muito inferiores.

Esporotricose em gatos e cachorros - tratamento

O tratamento de eleição para este problema é o iodeto de sódio e potássio.

No caso dos gatos, o veterinário terá especial cuidado porque existe um maior risco de ocorrer iodismo como efeito secundário deste tratamento, sendo que o gato pode apresentar:

  • Febre
  • Anorexia
  • Pele ressecada
  • Vômitos
  • Diarreia

Outros fármacos podem ser utilizados para ajudar na cicatrização das lesões, como imidazóis e triazóis. É importante referir que o uso destes fármacos também pode ter efeitos colaterais como:

  • Anorexia
  • Náuseas
  • Perda de peso

Se o seu pet apresentar qualquer efeito colateral da medicação, você deve contatar de imediato o médico veterinário que está a acompanhar o caso.

Esporotricose tem cura?

Sim, a esporotricose tem cura. Para isso, você deve levar o seu pet à clínica veterinária assim que verificar alguns dos sintomas que referimos anteriormente. Quanto mais depressa for iniciado o tratamento, melhor é o prognóstico.

Prognóstico da esporotricose

O prognóstico desta doença é bom se for identificado a tempo e se fizer um tratamento correto. Podem existir recidivas mas, geralmente, estão associadas a um uso incorreto de medicamentos. Por esse motivos, mais uma vez frisamos, que você jamais deve medicar o seu pet sem a supervisão do veterinário, visto que esse ato pode parecer resolver o problema no momento mas piorar a saúde do seu animal no futuro.

Bibliografia

  • Londero, A.T. Castro, R. M. Fichman, O. (N. D) Two cases of Sporotrichosis in Dogs in Brazil.
  • Souza, N.T. Nascimento, A.C.B.M. Souza. J. O. T Santos, F.C.C.A. Castro, R. B. (2009) Esporotricose canina: Relato de Caso. Arq. Bra. Med. Vet. Zootec. 61(3) p.572-576
  • Bernard P et al (1983) Sporotrichosis acquired from a cat. J AM ACAD DERMATOL 8 pp. 386-391

Fonte: peritoanimal.com.br

Também pode interessar:

Alopecia canina

Sarna em Animais

Dermatologia Veterinária

Acupuntura Veterinária

Otite Canina

Verão Estação das Pulgas

Hipotireoidismo em cães: causas e sintomas

10 Dicas Importantes Sobre Vacinação

 Curta nossa página no Facebook: Hovet Sao Pedro Facebook